Diário de Viagem – 3

Depois do Mercado Municipal, do Pateo do Colégio e da Catedral Metropolitana, entrarmos em váaaarias lojas procurando uma doleira (porta-dolar) e uma sunga para o filhote, fomos até à Liberdade. Abel queria comer “algo diferente”, típico da culinária oriental, mas nada como sushi ou sashimi. Pra ele só servia “lagartixa, gato, escorpião, lula, ou coisa assim”.

Então entramos num mercadinho onde todos falavam japonês, os rótulos eram em japonês ou no máximo em inglês (poucos tinham uma etiqueta minúscula com um nome pouco explicativo em português) e com certeza desejamos ter dinheiro pra fazer uma feira completa de coisas exóticas, porque, sim, tinha muita coisa diferente. Pra mim, o máximo foi água-viva. Alguém pode me explicar COMO se come algo que queima só de encostar na pele???

20-02-2012 098   20-02-2012 099

20-02-2012 100   20-02-2012 101

20-02-2012 102   20-02-2012 10320-02-2012 106   20-02-2012 107

20-02-2012 108   20-02-2012 109

Depois de nos divertirmos no mercado oriental, entrei numa loja-tem-tudo onde encontrei o tão procurado porta-dólar. Mas melhor do que ele, me deparei com uma arara cheia de mini-quimonos, quero dizer, blusas em formato de quimonos. Linnnndos, e com um precinho super acessível. Experimentei um, e… não tive dúvidas: comprei-o-o! E fiquei feliz da vida com minha compra, tanto quanto Ana com a doleira que ela também queria e Abel com a sunga.

20-02-2012 095     20-02-2012 142

O máximo que Abel conseguiu comer de diferente foi um Takoyaki com lula, camarão e queijo, mas, segundo ele, já valeu. Eu e as meninas fomos de Tempura. Que estava delicioso, enorme, e baratíssimo: 2 reais!

20-02-2012 128   20-02-2012 131  

20-02-2012 133   20-02-2012 136

20-02-2012 137   20-02-2012 139

20-02-2012 129 <— Esse é o MEU tempura.

Ana comprou picolé de CHÁ VERDE – pra emagrecer, né? e Bel um Melona de melão e uma raspadinha de melancia. Experimentei, e não gostei de nenhum!

20-02-2012 123   20-02-2012 124

O bairro da Liberdade é lindo! E outra deliciosa experiência antropológica! É mergulhar em outra cultura sem sair do Brasil. Fomos super bem atendidos em todos os lugares em que entramos, por todas as pessoas com quem falamos, mesmo que não falassem português direito.

20-02-2012 111 20-02-2012 112

20-02-2012 115 20-02-2012 117

Valeu muito, é um lugar que vou voltar quantas vezes puder, e se tiver dindin  pra gastar, vou mais feliz ainda, nem que seja pra comprar uma “havaiana de pau” ou entrar no freezer pra me esconder do calor!

20-02-2012 114   20-02-2012 104

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s