Diário de Viagem – 12 Ou Punta, a furada!

Ontem o navio ancorou em Punta del Este, na verdade, em alto mar na costa de Punta. O desembarque foi feito com lanchas, algo que faria ser ainda mais interessante pra mim e pro filhote… se estivesse fazendo sol.  Felizmente consegui convencer os velhinhos a não desembarcarem, considerando a dificuldade de mobilidade de Mamis.


Na noite anterior entrei no www.climatempo.com.br e vi a previsão para Punta: “Sol o dia inteiro com pancadas de chuva pela manhã e à noite”. Beleza! Nos preparamos com roupa de banho, e rumamos para o Teatro, onde recebemos a senha (nº 1) para a lancha.


 
Demorou um pouco, deu até pra cochilar… até o nosso “diretor de cruzeiro”, Maurício Justiniano, avisar: “CHOVE”.  Como não tínhamos visto ainda a situação do tempo, não desistimos, mas… olha a situação:
    
[E eu me pergunto: Por que ainda olho o www.climatempo.com.br ???]
Mas como pra mim  não tem tempo ruim, e não tenho medo de chuva, resolvi tomar em Punta del Este todos os banhos de chuva que desejei em Ilhéus!
Saímos do porto, e eu tinha uma única intenção de visita: a Casa Pueblo. Preço pedido pelos donos de van e taxi: 50 dólares por pessoa. Inviável. Achei que podíamos pegar um táxi fora do porto e ser mais barato, mas descobri que Punta tem muita semelhança com Ilhéus no que diz respeito ao turismo: Exploração, pouca informação e má vontade dos habitantes locais.
    
    
    

    
“Planeta Extremo”: Ninguém pra um lado, ninguém pro outro! Só nós!


Andamos, andamos MUITO, até encontrar um ponto de táxi, pra descobrir que ele queria os mesmos cem dólares pedidos no porto. #FAIL


Então, como continuava a chover, resolvemos andar mais um pouco (?) e descobrir o que desse… sem correr da chuva e sem nos escondermos dela, passamos por algumas lojinhas de
artesanato, fizemos xixi no Mc Donald’s, e encontramos “La Mano”, no final da Rambla Brava. Acho que andamos uns dez quilômetros. (Favor ninguém ir conferir no Google Maps, eu SEI que andei mais de dez quilômetros!!!)
       
    
    







Danado foi andar tudo de volta! Mas fomos daquele jeito bahiano, devagar, olhando as coisas… quase como as lesmas que encontramos na calçada ou nas plantas…
       

Vimos surfistas na praia, gaivotas e mais chuva.
       

Nosso navio, lá ao fundo

       
Ameaçou estiar… mas só ameaçou. Retornamos pela Rambla Mansa até o porto, como pintos molhados! E agradecendo o fato da câmera ser à prova d’água!
         
         
       
Então, chegamos e saímos de Punta sem comer nem beber nada. Mas gastamos mil pesos uruguaios, ou o relativo a… cem reais!!! (Com artesanato, lembrancinhas e mais uma echarpe pra minha coleção! Ops… e um lápis, Made in Germany!!!)


A viagem de volta foi numa turbulência só, que nem deu pra fotografar nada. Mas viemos conversando com um casal de Maceió e uma galera de Belém… até chegar na cabine para um banho quente e CAMA!
        01-03-2012 077          01-03-2012 083

Anúncios

Diário de viagem – 8

Hoje perdemos a hora do almoço real, e comemos pizza por volta das quatro da tarde. É que depois do café fui fazer dançoterapia (adorei!) e depois aula de bolero. E posso dizer: eu já domino o dois pra lá, dois pra cá e o vai e volta, vai e volta! \o/ TODOS COMEMORA!!! Marido agora não escapa de dançar comigo!

Na dançoterapia

    
Os professores, Cristóvão e Katiusca
    
Esta é Heliana, de Belém, minha parceira na aula de dança
Finalmente, hoje peguei na Canon pra fotografar o por-do-sol no meio do mar. No meio, necessariamente, não, porque hoje passamos pela costa uruguaia, e avistamos Punta del Este, onde vamos parar na volta.  Mas consegui fazer umas fotos legais, mais de gente fazendo esforço pra fotografar do que fotos do sol em s, ique poderiam fazer parte da série “Tudo por uma boa foto”. Ainda dei uma aulinha básica grátis sobre a hora mágica e fotografia à conta luz. Smiley piscando
     27-02-2012 (60)
27-02-2012 (67)     27-02-2012 (73)
27-02-2012 (74)     27-02-2012 (79)
27-02-2012 (86)     27-02-2012 (106)
27-02-2012 (129)     27-02-2012 (131)
27-02-2012 (147)
Aliás, hoje, pela primeira vez, passei um tempo no deck superior, tomando sol. Não, não vesti roupa de banho e nem cogitei usar qualquer uma das micro-piscinas, que devem ter uma concentração de xixi acima do aconselhável pela ANVISA. Mas passei protetor solar, levei um livro (Comer, Rezar, Amar) e fiquei um bom tempo misturando a leitura com uma pequena observação antropológica não participante, das brincadeiras à beira da piscina, feitas pela equipe de animación.
    
   
     
Achei interessante a maneira de encontrar os pais de uma garotinha perdida: Um tripulante andando pelo deck com uma enorme fita laranja para chamar a atenção… resolveu rapidinho!

No nosso pacote, tudo é incluído, com exceção de bebida alcóolica e… ÁGUA! Uma garrafinha de 500ml custa 2 dólares, e do jeito que eu bebo água… iria ficar pobre rapidinho! Solução: Pedir, no bar, “um copo com gelo”, e… voilá! O gelo vira água! #pobrezafeelings

Ao contrário de mim, mamis passou o dia inteiro deitada, só levantou para as refeições. Papi ficou um tanto quanto zangado, mas eu até entendi e gostei dela descansar, porque amanhã estaremos em Buenos Aires e aí neguinha vai andar. Ah, se vai!
À noite, depois do jantar, assistimos um show no melhor estilo Anos Dourados, com Elen de Lima, cantora do auge da Era do Rádio, e meus velhinhos gostaram muito! Acho que eles nunca haviam ido a um show assim… Tivemos uns entreveros com gente mal educada que ficou em pé obstruindo a visão de quem estava sentado,  e foi necessário fazer uma certa ginástica para poder enxergar, mas no balanço geral, foi bom!
    
    
Nossa mes é a de nº 50, já para comemorar as Bodas de Ouro do casal, em maio!
    
    
                    DSC04115     DSC04118
Élen de Lima, Diva do Rádio nos Anos Dourados, ainda tem uma voz firme e potente! Cantou sucessos conhecidos por todos, acho que Marido iria adorar o show…
Ao fim do show, ainda havia o espetáculo da noite no Teatro Ibiza, Made in Italy, mas esse eu realmente não gostei, tanto que escapuli antes do final. Hoje precisamos dormir cedo (?) pra acordar bem amanhã, que é o auge da viagem.

Diário de Viagem – 7

#VergonhaAlheia define o que senti esta noite. Depois do jantar de gala e do espetáculo no teatro, Glamour, que foi ambientado no Moulin Rouge de Paris, levamos os velhinhos pra cabine (mais de meia noite!) e voltamos para a night, pra assistir à eleição de Miss Mistral, a mais bela do navio. (Aham, Cláudia, senta lá.)
26-02-2012 032     26-02-2012 038
26-02-2012 051     26-02-2012 074
26-02-2012 087     26-02-2012 138
Quando chegamos num dos salões de festa onde seria o concurso, tinha um conjunto, Milionaire Quartet, tocando música dançante, e alguns casais na pista. Percebemos que havia uma equipe do navio, homens e mulheres, prontos para serem parceiros de dança de quem estava desacompanhado, e eram muito gentis, chamando todo mundo, inclusive nós, mas, como todo mundo sabe, eu não danço nada, apesar de morrer de vontade…
O grupo animou a galera, quem estava lá estava se divertindo mesmo. Até que chegou o casal de animadores, Costela e Renata, ele falando em português e ela em espanhol, ops, em portunhol. E chamaram TODAS as mulheres para o centro do palco, para escolher a mais bonita. Ai ai… Quando disseram “TODAS”, Abelzinho olhou pra mim e ficou repetindo: “TODAS, TODAS, T O D A S!”. E eu respondendo: “Eu não sou mulher, sou homem”, e traduzindo (já que tudo era traduzido): “Yo no soy mujer, yo soy hombre! Yo no soy tu madre, yo soy un travesti!”, estávamos rindo, quando Costela encontou e foi pegando na minha mão, para levar ao palco. Resisti, e ele se ajoelhou a meus pés (Oh, God!) e ainda chamou: “Vamos, gueixa!” (Podem rir, eu deixo!) Ainda consegui ficar firme no meu lugar, mas Renata não deu chance e me arrastou para a pista, onde tocava “Poeira”, de Ivete. O jeito foi entrar no clima.
26-02-2012 143    
Dancinha pra lá, dancinha pra cá… convidaram a Miss Mistral da semana passada, a Gata Selvagem. Apareceu um homem gordo vestido num tubinho pink tomara-que-caia, com peruca e plumas, a coisa mais tosca do mundo, mas engraçado.
    
Depois da exibição da Gata fazendo Pole Dance numa coluna gigante,  anunciaram que seriam escolhidas três finalistas. Uma turma se auto-eliminou, eu incluída, mas “contrataram seguranças vindos de Israel” para evitar a evasão das candidatas.
Chamaram três componentes da equipe de animação para escolher as finalistas. O primeiro escolheu uma loura bonita (Cláudia Leite), o segundo uma negra simpática (Merenguita) e o terceiro uma velhinha baixinha e assanhada (a Gorila Fêmea). Já deu pra sacar quem ganhou o concurso? Claro que foi a velhinha assanhada! Mas antes disso elas participaram de provas tão geradoras de vergonha alheia que nem sei como consegui assistir até o fim.  Só sei que rimos um bocado, e a vencedora ganhou um diploma, uma garrafa de champanhe e um drink colorido. Tudo foi filmado e será disponibilizado para compra na galeria de fotos e vídeos do navio. Se alguém quiser, me avise, que eu compro, apenas 50 doletas!
 
Depois da risadaria, para despilhar, fomos na pizzaria para o “lanchinho da meia noite”, e aqui estamos.
             

Amanhã será outro dia de navegação, e não estou nem um pouquinho preocupada com o horário de acordar, já que são 02:15h e ainda estou elétrica, apesar de já ter tomado o remedinho. O navio está jogando MUITO, e estou pedindo a Deus o tempo inteiro pro meu labirinto aguentar o tranco.
Boa noite, galera.

Diário de Viagem – 5

Vou escrever sobre o embarque e primeiro dia (sábado, 25/02) no Grand Mistral, antes que esqueça, e enquanto as emoções estão vivas! Fico devendo os dois posts: O passeio com Karina e os dias em Tatuí. Podem cobrar.


No momento, são 07:03h do domingo, 26/02, – dia do meu aniversário de casamento com Marido –  e apesar de ter deitado mais de meia noite, tomado o remedinho mágico e ter dormido bem, já estou acordada. A cabine fica COMPLETAMENTE escura, e dentro dela não se sabe se é dia ou noite, nem se chove ou faz sol.


Para quem nunca fez um cruzeiro ou viajou de navio grande e tinha alguma dúvida, o navio “joga”, sim. E muito. Eu achava que não, que pelo tamanho ele tinha estabilidade pra que a gente não percebesse nem que estava num navio. E confesso que fiquei com dois medinhos: primeiro de ter uma crise de labirintite, e segundo, de mamis cair. Até agora, foi só medinho, está tudo bem com meu labirinto e com ela. Smiley piscando


Saímos de Tatuí às 07:06h, com medo de pegar aqueles famosos engarrafamentos na Rodovia Imigrantes, já que era sábado, dia do paulistano descer pro litoral… e chegamos às 10:13h em Santos, teoricamente cedo demais, mas de fato foi até bom. Fizemos logo o check in, preenchendo a ficha de imigração argentina (entramos com identidades, não usamos os passaportes), e esperamos até às 13h, quando começaram a chamar para embarque. Com fome, e entediados, o humor não era dos melhores, especialmente de Abelzinho, que quando emburra, EMBURRA.
   
   
   
Mas finalmente, entramos e fomos encaminhados direto pra restaurante, para almoço, antes de irmos às cabines. O cardápio trazia coisas estranhas, e cada um de nós pediu um prato diferente: Caldereta de lulas, pastel de porco, fugini ao molho de tomate e afogado de legumes. Todos estavam gostosos, mas todo mundo achou pouco… porque só pedimos o prato principal, pulamos a entrada e a salada. Mas aprendemos, e no jantar já pedimos tudo certinho.
    
    
  

Fomos para uma “patrulha de reconhecimento” do navio, descobrir onde era o Teatro, piscina, biblioteca, acesso à interner (#FAIL) e afins.
 
    
    
    
Depois do almoço fomos levar os velhinhos à cabine, e instalá-los, para depois irmos pra nossa. São próximas, mas não vizinhas. A sorte é ter interfone entre elas, facilita um bocado.
As cabines (internas) são pequenas, mas não desconfortáveis. Tem TV (canais abertos intermitentes, canais do navio e 3 canais de filmes com horários em português e espanhol, frigobar (que estamos ignorando), interfone, cofre com segredo e um monte de espelhos, para ela parecer maior. Tinha uma cama de casal arrumada, mas como tinha também duas camas suspensas dobradas nas paredes laterais, pedimos para fazer uma delas, e estou dormindo na de casal enquanto o filhote dorme em cima.


Teve uma palestra sobre a “vida a bordo” com o Diretor de Cruzeiro, um engraçadinho que termina todas as suas falas com “tchau tchau tchau tchaaaaaaau…” TOSCO. Meu pai domiu na palestra, e é claro que ficou sem saber de muitas coisas, inclusive que não podia ir jantar de bermuda, camiseta ou chinelo. Quando falei pra ele que tinha horário e essas exigências pro jantar, ele ficou azedo, e disse que “não gosta de ser mandado”. Foi TENSO. E pra completar, acabou a bateria do aparelho auditivo dele, e jantar com um burburinho de gente e ele sem entender, oscilou entre engraçado e irritante. Abelzinho também não gostou do lance do traje pro jantar, mas vestiu calça a contragosto e ficou reparando se encontraria algum homem de bermuda. Tinha vários, e ele já decretou: calça, nunca mais.
    

Depois da palestra, um treinamento básico de emergência: onde pegar os coletes, para onde ir até pegar os botes salva-vidas, etc. Como nossas cabines são em corredores opostos, tivemos que testar mesmo se os dois conseguiriam se safar numa situação de emergência, pois nos coletes está marcado o número da cabine e o ponto de encontro, então, não podíamos ficar juntos mesmo. Thanks God, deu tudo certo no treinamento (que todos consideramos muito besta, igual às instruções de segurança das comissárias de bordo nos aviões).    
    
25-02-2012 081  
O cartão vermelho foi entregue no treinamento, e repassado para as autoridades portuárias, o que confirma nossa presença no navio, para posterior identificação, se necessário. Encontrei um casal que não entregou o cartão vermelho, e quando foi registrar o cartão de crédito deu “cartão inválido”, dizendo que eles não estavam no navio. Não sei como foi resolvido. Smiley mostrando a língua


É necessário registrar o cartão de crédito para os gastos a bordo, ou fazer um depósito de 200 dólares por cabine. Eu registrei o meu, mas papi não levou o dele na hora do jantar, e acabou que se não registrar até às 10h de hoje vai morrer nos dólares mesmo. Acho que vamos gastar pouco aqui dentro, por conta de não bebermos álcool nem sermos consumistas, mas de todo jeito dá um medinho de deixar dólares lá e na hora do encontro de contar ter alguma surpresa desagradável. (UPDATE: Corri e registrei o dele nos últimos 5 minutos disponíveis).
Nosso camareiro é o Fábio, de Recife. Muito simpático, como tambem os nossos garçons: Leandro e Leonardo. Sério, gente. Leandro é brasileiro, e Leonardo da Nicarágua.  O staff do navio tem se mostrado muito atencioso, claro que desejando que gastemos muito a bordo, tem uma “rua” de lojas, com tudo de supérfluo (pra mim) que se possa imaginar.
Depois do jantar, pusemos os velhinhos na cama, fomos pra nossa cabine assistir a novela (Rá!) e esperar a hora do show no teatro. Foi lindo, GIZA, uma noite no Egito, com dança, mágica e acrobacias. Gostamos.
25-02-2012 105     25-02-2012 106
25-02-2012 107     25-02-2012 10825-02-2012 109
Depois demos um passeio pelos decks superiores, que estavam absolutamente VAZIOS, só nós dois andando por lá. #MEDO. Abelzinho parecia uma criança, querendo chegar perto de tudo o que aparentasse perigo. Ai ai.
Bom, agora vou ali, acordar os companheiros de viagem para o café. A programação de hoje, para mim, inclui: Alongamento na academia e aula de tango \o/ .

Meio da tarde, e eu aqui de novo. Fiquei meio melancólica de lembrar que hoje é nosso aniversário de casamento e estou longe de Marido. Que eu gostaria que ele estivesse aqui, ou que gostaria de estar com ele, em qualquer lugar, mesmo em casa, no nosso sofá. Que toda hora tem algo que eu gostaria de falar pra ele, que queria comentar os livros que estou lendo, o livro que comprei pra ele, e quase posso ouvi-lo dizer está se sentindo uma criança, já que a média de idade neste cruzeiro parece ser de mais de 70!
Ontem ele me disse que está fazendo as fotos do nosso projeto 365 dias a dois, e isso foi tão importante pra mim, sabem? Algo que eu inventei, que pode parecer uma bobagem, mas que ele embarcou junto comigo, e que nesses dias de distância, ainda estamos juntos em nossos planos.
A essa hora deve estar entrando um post programado celebrando nosso aniversário (2 anos é Bodas de que?) que ele nem sabe que vai entrar, e que eu não vou poder moderar os comentários, já que estou completamente sem internet (10 dólares por meia hora não rola, né?) e não sei como vai ser até sexta, que é quando voltaremos ao Brasil, depois de Buenos Aires e Punta del Este, onde o celular não vai pegar.
Fui pro alongamento depois do café da manhã, foi gostoso, mas perdi a aula de tango à tarde. Deixei o casal de fofonildos no restaurante a la carte e hoje almoçamos na pizzaria à beira da piscina. Pizza gostosa, e liberada das 13h às 20h. Desci e Abelzinho veio na cabine, pegou o iPod e voltou pra lá. Será que nessa semana ele engorda?
Hoje é a Noite de Gala, não estou muito a fim de ir, mas decidi aproveitar tudo, pra não me arrepender depois. Ah, vou vestir o mini-quimono (que a Roberta disse que não é quimono, é um “vestido chinês, e nem é vestido…”) logo, pra aproveitar a oportunidade, e se eu morrer, não deixo ponta pra ninguém.
Comecei a ler Comer, Rezar, Amar (Elizabeth Gilbert) emprestado de Nancy, bem no dia em que vai passar o filme no cinema do navio. Lógico que não vou assistir, preciso ler o livro primeiro.  E já adianto que estou adorando. Sinto como se em determinadas partes ela traduzisse exatamente o que eu senti em alguns momentos de minha vida. Esse é daqueles livros que posso ler direto, sem precisar exonomizar, porque sei que posso – e vou – ler várias vezes. As reflexões que a autora faz sobre a vida são bem próximas das minhas.  Depois vou escrever especificamente sobre o livro.
Além desse, que trouxe especificamente para ler na viagem, comprei na Livraria Cultura de São Paulo três livros: Walking Dead (livro que inspirou a série de TV) para o filhote; Feliz por Nada, de Martha Medeiros pra mim e Última Estação: Paris, que conta a história dos nomes das estações do metrô parisiense, de presente para Marido. Então, não vai faltar o que ler. Vou voltar pro livro, agora.