365 dias a dois

Pois é, estou de volta com mais um projeto fotográfico. Depois do sucesso do 365 dias, agora será “365 dias a dois”.

Regras:

  • Uma foto por dia, de nós dois. De preferência, juntos, mas se não estivermos juntos (em viagem de um dos dois, ou coisa parecida), podem ser duas fotos, cada um fazendo a sua.
  • Valem fotos feitas pelos dois.
  • As fotos estarão no Flickr e no Facebook, abertas, para quem quiser acessar.
  • Qualquer outra regra pode ser criada por  nós a qualquer tempo e ninguém tem nada a ver com isso, ié ié iéééé…

Então é assim. 2012 começou QUENTE, em todos os sentidos. \o/

01-01-2011 010

Brindando com Cajuína (cristalina, de Teresina) o novo projeto!

(Esta foto não entrou, é extra!)

Hoje é dia de listinha, bebê!

Parafraseando Cristiane Torloni (“Hoje é dia de Rock, bebê!”), vou deixar aqui algumas listinhas. Não de promessas, já falei que isso comigo não rola, mas de desejos! E serão várias listinhas de três ´[itens cada, pra ficar mais fácil de conseguir!

Livros:

Curvas, de Kadu Niemeyer , ainda não lançado, mas como os desejos são para 2012, ele já está dentro.

Para seguir minha jornada – Chico Buarque, de Regina Zappa. Baratinho na FNAC, 47,00. E o início dessa jornada:

Chico Buarque, da mesma Regina Zappa, Quase de graça na Estante Virtual = 10,40 já com frete incluído!

Terra mar e ar – peripécias de dois turistas culturais. Escrito a quatro mãos por Ruy Castro e Heloisa Seixas, recomendação de Marta.

DVDS:

Completar a série Gilmore Girls, capricho de mãe saudosa. Já tenho a 1ª, 6ª e 7ª temporadas, faltam só da 2ª à 5ª. Smiley piscando Entre 49.90 e 69,90 No Submarino ou na Saraiva. (Na Cultura está bem mais caro!)

Ainda não saiu, mas já está no Youtube e no site da Globo.com e eu já baixei, o Especial da Globo Ivete, Gil e Caetano, mas vou querer comprar assim mesmo, é coisa pra se ter “oficial” e não armengado.

Bahêa minha vida. esse pode ser pirata, eu só quero ter a possibilidade de rever quando quiser. [#ProntoAssumi que sou Bahêa!!! – Mesmo Marido sendo Vitória, depois de assistir o filme não deu pra resistir!]

Tecnologia:

Um computador novo. O desejo MESMO é um Mac, mas se não rolar, por motivos financeiros, aceito um PC, mas tem que ser BOM. Meu note é muito bonzinho, mas já deu o que tinha que dar, em três anos. Está capengando, esquentando demais, fazendo barulho, ameaçando morrer a qualquer hora. Então, antes do dia da angústia, melhor providenciar logo um substituto. Ainda estou em dúvida se quero um desktop ou um notebook, cada um tem suas vantagens… Melhor mesmo seria um de cada. Smiley piscando Estou fazendo uma lista de links, mas esta é grande demais e não cabe aqui. Esse ítem da lista vale por dois.

Um tablet. De preferência um iPad, mas por motivos óbvios, se não puder ser esse, aceito um Galaxy.  (Preguiça de linkar).

Equipamento Fotográfico:

Uma lente 50mm para retratos. Babo por ela há tempos, mas sempre aparecem outras prioridades. De 2012 ela não escapa.

Equipamento de iluminação de estúdio. Eu pensava que era muita coisa, mas depois de ver o que Alene está fazendo no mini-estúdio doméstico… tenho certeza que consigo riscar esse ítem da lista rapidinho.

Consertar minha Nikon e ficar com duas câmeras decentes. Tive informações de que a assistência técnica oficial leva em média 4 meses para devolver o equipamento. Como vou a Sampa em fevereito, considero que até julho ela está de volta.

Viagens:

Já tenho duas agendadas – e pagas. Ambas pro mesmo lugar, mas com tudo diferente, vê só:

Cruzeiro de Navio com Papi, Mamys e o Fiote (Marido não vai, buáaaaaaa), saindo de Santos, passando em Buenos Aires, Punta del Este e Portobelo.

Viagem de aniversário de Marido, em abril, pro Cone Sul, novamente: Montevidéu, Buenos Aires e Colônia del Sacramento, aproveitando uma super promoção da Pluna. Quinze dias de total relax, romance e fotos!

A terceira ainda está em aberto, esperemos pra ver o que acontece…

Projetos de vida:

Finalizar a arrumação da sede da Consultic, no térreo aqui de casa, com escritório, sala de aula e estúdio fotográfico integrados.

Fazer um concurso público para cargo administrativo de 6h diárias. Assim não tenho trabalho pra trazer pra casa e tenho metade do dia para os trabalhos de fotografia, cursos e atividades da Consultic. Detalhe: Passar nesse concurso.

Amadurecer a idéia do doutorado. Na UFBA ou em Lisboa, pra começar em 2013.

 

Pronto, acabou. Se 2012 me trouxer tudo isso vou ficar bem satisfeita. Se faltar alguma coisa não vou reclamar, mas vou batalhar mais ainda pra chegar no ano seguinte! Smiley piscando

Eu, caçador de mim!

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 042

Esta foi a música com que que Milton abriu o show de ontem, no Centro de Convenções. Vocês não têm idéia do turbilhão de emoções dentro de mim.  Lembrei do tempo do Coral do Vitória, onde cantávamos muitas músicas dele, e do quanto essas músicas me falam. Literalmente, “há canções e há momentos que não sei como explicar..” “certas canções que ouço cabem tão dentro de mim que perguntar carece: Como não fui eu que fiz?”.

Levei a câmera dentro do case, e fiquei quietinha, esperando pra ver se alguém falava algo sobre “não é permitido fotografar” antes de ameaçarem  tomar meu equipamento. Ninguém falou nada, e me senti à vontade pra encostar no palco (sentada no chão, pra não atrapalhar ninguém, que fique claro) e fotografar à vontade. As fotos não são grande coisa em termos de criatividade, já que ele não é o que se pode chamar de artista performático, mas se a emoção pudesse ser transferida para as imagens… ah, seriam explosivas!!!

A platéia estava num diálogo íntimo com o artista, que soube direitinho ir aonde o povo estava. Sinceramente eu não esperava tamanha participação. Não esperava nem que lotasse como lotou. Ilhéus está numa roda viva de shows bons – e relativamente caros – que a gente está precisando fazer escolhas, entre quais ir em detrimento de outros, e o de Milton nãoestava sendo tão comentado assim. Mas estava cheio. [Nós chegamos, Dinah, Marido e eu,  com uma hora de antecedência, já tinha uma fila inacreditável. Passamos por Marta e Tia Suzana que estavam no comecinho. Oh, angústia de viver o que se prega: lá fomos, honestamente, pro final da fila!!! Qual não foi nossa surpresa que, mesmo ficando no final da fila, sentamos uma fileira  na frente delas! Rá!]

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 158 copy

Quase duas horas de música pura, sem defeito. Com tantos pontos altos, que quando eu pensava que não poderia vir algo mais forte… ainda vinha!

Só começar com Caçador de mim… já bateu lá no fundo, mexendo nas minhas memórias. Depois, Coração de estudante, com outras memórias aflorando. Todo mundo cantando junto “E se quiser saber pra onde eu vou, pra onde tenha sol, é pra l´pa que eu vou!”, completamente inusitado, já que não é do repertório tradicional dele (está no último CD). Saber, pela boca do próprio, que Cravo e Canela foi composta aqui em Ilhéus, na década de 70, para Dina Sfat, trouxe um novo sentido à música, ou melhor, fez todo sentido!

“Nos bailes da vida”  foi outra pancada forte, quando me relembrou: “para cantar, nada era longe, tudo tão bom…” do tempo em que eu vivia de música, pela música e para a música. Deliberadamente fechei a porta da caixinha da memória, pois já estava ficando insuportável.

E veio a bomba mesmo quando ele sentou no banquinho e pediu que a platéia cantasse “Canção da América” pra ele. E não cantou mesmo, ficou regendo, ouvindo, sentindo… lindo demais!!!

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 126

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 129 copy

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 132

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 145

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 146

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 147

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 148

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 149 copy

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 150

Delícia de noite… que ainda teve a oportunidade de subir no palco – a princípio para fotografar, mas depois pra tietar explicitamente, com direito a um abraço  e uma foto louca feita por marido.

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 182

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 185 copy

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 194 copy

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 207

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 209 copy

Olha meus pés ali no palco!!!

Milton Nascimento 16-12-2011 145

                      Foto: Marido Carlos Mascarenhas

Saímos do show flutuando (pelo menos, eu). E fomos atrás de algo ara comer, mas Ilhéus ainda não aprendeu que depois de um show desse, que terminou meia noite, bares e restaurantes ainda deveriam estar abertos…  TUDO FECHADO! O máximo que conseguimos foi uma água de côco na  Avenida, numa barraquinha perto da Catedral, por pura bondade do dono, pois ele já havia fechado e guardado tudo, mas nos serviu assim mesmo. Mas aproveitamos o restinho da noite pra papear, Marta, Dinah, Marido e eu (tia Su ficou em casa).

Enfim… a nota dissonante foi uma mensagem no meu celular, que só vi depois que estava em casa: Nancy, que não avisou que viria, me viu no palco, ligou, mas o celular estava no silencioso (óbvio) e não nos encontramos! Smiley triste

Crítica musical? Nada! Só registro passional de uma noite linda! Obrigada, Amor, por me proporcionar tudo isso. Sua cumplicidade faz tudo ficar ainda mais lindo e emocionante!

[Ah, e ainda fiquei com um excelente material para o Curso Avançado de Fotografia, no tópico “Fotografia de Palco”.]

Desabafo

Não se assustem, este não é um post-deprê, ou um post-vômito como alguns outros que passaram por aqui. É só um desabafo de uma pessoa que tem uma cabeça que não pára e um corpo que não acompanha a cabeça.

Ser DDA não é fácil não, gente. Precisa tomar remédio pra dormir, porque a cabeça não desliga, vive ligada em 220v e em 1488.000 rotações por minuto. Mas ao mesmo tempo o corpo se encosta no primeiro coqueiro que vê, porque não dá ânimo nem de armar a rede.

Tenho tanta coisa pra escrever, tanta coisa pra contar, tanto pra dizer… quero ver tantas pessoas, quero assistir tantos filmes, ler tantos livros… quero ir a tantos lugares, tirar tantas fotos… “eu tenho pressa e tanta coisa me interessa, mas nada tanto assim…”

Deixa só eu fazer umas bolinhas aqui, só pra se der, pensar em escrever sobre.

Pausa

Parei aqui porque recebi a notícia da morte de um amigo querido, de alguém que foi MUITO importante na vida de Marido, e essa notícia me deixou sem ação, pois tudo aconteceu muito rápido.  De repente tudo que me parecia importante nesse “desabafo” deixa de fazer sentido, perde a importância e até some da cabeça. Assim, o desabafo fica pela metade, quem sabe depois eu consiga retomar a linha de pensamento…