Não-post #83902

Daí que daqui a uma semana estou levantando vôo com meus velhinhos (dois, o terceiro vai ficar em casa) e rumando para Sampa bem no carnaval, pra de lá embarcar num navio (Santos) e passar uma semana no mar. Por conta disso, estou trabalhando que nem louca, e cadê tempo pra blogar?

De duas semanas pra cá recebi uma amiga de infância e tios queridos em casa, dei dois cursos de fotografia, fotografei um casamento, fiz uma palestra pra os professores da rede municipal de Ubaitaba, fiz a curadoria da exposição de fotos dos alunos do Curso Básico de Fotografia em Itabuna, e ainda VIVI ( vivi = Namorei, fui à praia, assisti filme, fiz comprinhas pra mim e pro filhote, fui ao médico, fiz acupuntura, dormi…). Tá bom, ou querem mais?

Aí não sobrou MESMO tempo pra blogar, né? Nem pra ligar prazamigas, que já estão reclamando de abandono. Mas juro, gente, essa viagem PRECISA acontecer, e PRECISA ser boa. Era pra ser em fevereiro do ano passado, mas aconteceu um monte de coisas, mamis adoeceu, e os planos tiveram que ser modificados. Marido foi nosso herói: conseguiu que a agência de viagens devolvesse todo o valor em forma de carta de crédito, perdendo somente 5% pela alteração da data, e agora finalmente está chegando o dia.

Isso significa também mais duas semanas sem atualizações tão constantes, já que viajamos dia 19 de fevereiro e retornamos dia 5 de março. Considerando que de 8 a 10 de março tenho outra turma de curso de foto… ai ai ai.

Este post é somente pra quebrar a monotonia e dizer que não morri, quem sabe ainda consigo escrever algo decente, entre  arrumar as malas de três, dar atenção a Marido, editar um álbum de casamento e um de aniversário de criança, que tenho que entregar antes de viajar?

Anúncios

Entre fotografar e escrever…

Estou entre a cruz e a caldeirinha, entre duas coisas que gosto – e acho que faço bem – mas é como se uma anulasse a outra. Tenho fotografado muito – e divulgado pouco. Escrito menos ainda. E uma coisa está ligada à outra.

Para divulgar minhas fotos, gosto de escrever a história delas, o que motivou, o que aconteceu durante e o que elas geraram, seja em sentimentos pra mim, ou em algo palpável. E aí a coisa pega. Tenho tido pouco tempo pra escrever (vide a quantidade de posts nessa casa linda que me abriga), tenho tido muitos outros trabalhos, resposabilidades que não posso deixar de cumprir… e a escrita vai ficando pra trás, carregando com ela a divulgação das fotos. Além disso, tem os Cursos de Foto, que precisam acontecer, mas estou tendo problemas com datas…

Mas de vez em quando (muito de vez em quando mesmo) eu paro pra ler (livros, artigos, blogs, textos em revistas…) e bate ALOKA da vontade de escrever. Mas aí o cérebro DDA se enrola na multidão de assuntos e não decido a prioridade… e continuo sem conseguir colocar “no papel” o que está na cabeça.

É, vira e mexe a culpa é dele, do Distúrbio de Déficit de Atenção (está renomeado agora, chamam TDAH, TDA, ou sei lá como, mas´pra mim continuará sendo DDA). Aquele que me desestrutura, que me me deixa frustrada com um monte de coisas, mas que também me impulsiona pra frente, me dá o título de criativa e alto astral (oi?) e serve pra acalmar meu interior (oi²?) quando entro em desespero com todas as minhas questões existenciais.

O tempo de editar fotos, entregar a clientes, escrever sobre, publicar online, planejar exposições em papel… não chega, nunca é suficiente. Por gentileza, não venham com soluções simplistas (já estou ouvindo Marido dizer: defina prioridades, aja e pronto!), eu não sou uma pessoa simples!

Desejo fazer listas TO DO em ordem de prioridades, mas faço e não cumpro. Hoje foi um dia histórico, entreguei um book de bebê e um site prontinho (que tinha prazo até 30/12 \o/ ), fui ao DETRAN pegar a 2a. via do DUT do meu carro véio que finalmente será vendido e consegui sair com MArido pra tomar uma água de côco e comer um acarajé no final da tarde.. Mas as minhas íris desabrochando, que filmei e Marido fotografou, continuam aqui, no HD, sem mostrar a carinha ao mundo. E as fotos de Cacau que irão ilustrar um livro editado e publicado na Holanda, estão fritando meu juízo na hora da escolha…  mas preciso entragá-las até amanhã.

Mas amanhã tem uma ação de limpeza da praia que resolvi fotografar… e lá vamos nós de madrugada, sem ter hora pra voltar. Ah, e já faz uma semana que Santa Michela entrou de férias, o que leva à agonia diária dos serviços domésticos  = estresse elevado à 10ª potência. Resultado: Vou acordar cedo, sair, voltar, dormir, e depois trabalhar atéeee terminar de editar as fotos de Cacau. Só então vou pensar em outras coisas, como fazer as unhas, editar o vídeo e fotos das íris, cuidar do jardim e… escrever um post decente.  Quem viver… verá!

Íris - 07-12-2011 - Bel 009

Íris: uma fechada e outra aberta!

Desabafo

Não se assustem, este não é um post-deprê, ou um post-vômito como alguns outros que passaram por aqui. É só um desabafo de uma pessoa que tem uma cabeça que não pára e um corpo que não acompanha a cabeça.

Ser DDA não é fácil não, gente. Precisa tomar remédio pra dormir, porque a cabeça não desliga, vive ligada em 220v e em 1488.000 rotações por minuto. Mas ao mesmo tempo o corpo se encosta no primeiro coqueiro que vê, porque não dá ânimo nem de armar a rede.

Tenho tanta coisa pra escrever, tanta coisa pra contar, tanto pra dizer… quero ver tantas pessoas, quero assistir tantos filmes, ler tantos livros… quero ir a tantos lugares, tirar tantas fotos… “eu tenho pressa e tanta coisa me interessa, mas nada tanto assim…”

Deixa só eu fazer umas bolinhas aqui, só pra se der, pensar em escrever sobre.

Pausa

Parei aqui porque recebi a notícia da morte de um amigo querido, de alguém que foi MUITO importante na vida de Marido, e essa notícia me deixou sem ação, pois tudo aconteceu muito rápido.  De repente tudo que me parecia importante nesse “desabafo” deixa de fazer sentido, perde a importância e até some da cabeça. Assim, o desabafo fica pela metade, quem sabe depois eu consiga retomar a linha de pensamento…

Não-post

Nem sei mais há quanto tempo quero escrever decentemente e não consigo. Mas não é só isso. Não consigo também LER os blogs dos amigos. Nem nos links dos tweets eu clico.

Poderia dizer que é falta de tempo, muita coisa pra fazer, muito cansaço… mas não. Tô down, sem graça, sem ânimo… mesmo tendo que enfrentar eventos e compromissos – e enfrentando – não me sinto “vivendo”, sacomé? Tá, não precisa saber, não.

Motivo pra estar assim? Tem, sim. Se são maiores do que os que eu tenho pra ficar bem? Acho que não. Mas quem controla as emoções? Eu não tenho tido esse poder.

Mamis doente, chateações com quem já devia estar morto mas não está, pressão interna pra conseguir um “emprego fixo”, preocupações várias com os babies, crises de enxaqueca voltando, cansaço físico real… pode até parecer pouco pra uma pessoa normal, mas pra mim é pesado.

Nesses últimos dias tenho sentido falta de VIVER de verdade, e acho que minha inerte “vida virtual” de blogueira, twitteira, gtalkeira  me deixa essa sensação. O dia passa, eu fiz um monte de coisa, mas sinto como se não tivesse feito nada.

E tudo isso escrito aqui nem sei se vale a pena ser lido, mas vale ser escrito. É mais um post-vômito daqueles que aparecem de vez em quando.  Alguém aí se tem um desinfetante poderoso mas sem cheiro muito forte, que eu tenho alergia?