Guest Post: De que morreu o Dr. Sócrates?

 

Mascarenhas Perfil 004-1

Convidado para deixar aqui um comentário sobre a morte de Sócrates, jogador de futebol que fez vibrar milhões de corações no Corinthians e na Seleção Brasileira, Marido (Carlos Mascarenhas) escreveu um texto-alerta, que certamente nos fará pensar  sobre o assunto: ALCOOLISMO.

Depois, num outro post, ou nos comentários, eu dou o MEU depoimento sobre o assunto.

 

 

Domingo, dia 04.12.2011, e assim a Folha de São Paulo noticia a morte do Sr. SÓCRATES BRASILEIRO SAMPAIO DE SOUZA VIEIRA DE OLIVEIRA:

O ex-jogador Sócrates morreu às 4h30 deste domingo aos 57 anos em decorrência de um choque séptico, que ocorre quando bactérias de uma infecção chegam à corrente sanguínea e se espalham pelo corpo.

O eterno ídolo do Corinthians, estava internado desde a última quinta-feira na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Albert Einsten, na zona sul de São Paulo, após dar entrada com quadro de infecção intestinal.

Sócrates, sua mulher e um amigo haviam se sentido mal na noite de quinta-feira (1º) após comerem em um evento.

Segundo o jornalista Juca Kfouri, colunista da Folha, um prato de estrogonofe contaminado com uma bactéria foi o responsável por desencadear a internação do ex-jogador.

Na sua edição da primeira semana de setembro, a Revista Época publicou a seguinte notícia sobre o Dr. Sócrates:

Sócrates

Na segunda-feira passada, dia 5 de setembro, o cidadão Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira foi internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, para tratar de um sangramento digestivo que ameaçava matá-lo. Aos 57 anos, ele é um rosto familiar aos brasileiros. Ídolo do Corinthians e da Seleção Brasileira, foi um dos grandes jogadores do futebol mundial nos anos 1980, notável tanto pela elegância e precisão de seus passes quanto por suas posições públicas contra o regime militar. Formado em medicina, inteligente e carismático, o Doutor, como costuma ser chamado, assumiu, ao deixar os gramados, a função informal de intelectual do futebol, alguém capaz de expressar com autoridade a dimensão pública desse esporte que apaixona os brasileiros.

Além disso tudo, Sócrates é também alcoólatra. Ele começou a beber pesado durante a universidade e nunca mais parou, mesmo em seus anos de atleta. Em consequência de décadas de excesso, desenvolveu cirrose hepática, doença degenerativa que destrói o fígado e provoca o colapso do restante do organismo. A cirrose causada por álcool mata mais de 11 mil pessoas por ano no Brasil. Sócrates esteve assustadoramente próximo desse desfecho na semana passada – um drama que tocou milhões de pessoas que o admiram e trouxe para os holofotes, novamente, a epidemia subterrânea de alcoolismo que devasta o país. “O drama de uma pessoa pública querida mostra que pessoas inteligentes e fortes também podem se tornar dependentes”, afirma o psiquiatra Ronaldo Laranjeiras, da Universidade Federal de São Paulo, uma das maiores autoridades em alcoolismo no país. “Sócrates é um homem bem-sucedido, brilhante e, além de tudo, médico. Se aconteceu com ele, pode acontecer com qualquer um.”

O Brasil tem um número de alcoólatras estimado em 15 milhões, o dobro da população da Suíça. Mas a realidade pode ser ainda pior. Os médicos da Associação Brasileira de Estudos de Álcool e Outras Drogas, que se dedicam a estudar a dependência química no Brasil, estimam que, na verdade, 10% dos 192 milhões de brasileiros, ou 19 milhões, tenham problemas graves com a bebida. O alcoolismo mata 32 mil pessoas por ano no Brasil, está por trás de 60% das mortes no trânsito e 72% dos homicídios. Mas é algo que nosso cérebro parece ignorar para seguir operando com sanidade – até que a história de um ídolo popular como Sócrates rompe essa barreira de proteção e indiferença.

No dia 19 de agosto, ele foi internado às pressas no Hospital Albert Einstein. Seu fígado deteriorado pela cirrose comprometera a circulação sanguínea no aparelho digestivo. O órgão normal tem a consistência de uma gelatina porosa. Na cirrose, adquire a consistência de borracha. O sangue não mais segue seu caminho, fica represado e desencadeia sangramentos no estômago e no esôfago, que podem ser fatais.

É muito importante que as verdades sejam ditas e com todas as letras, para que possamos ter consciência da sua existência e então possamos combatê-las com todas as forças e de todas as formas.

Pois é, Senhores, apesar da Folha noticiar que Dr. Sócrates morreu em decorrência de um choque séptico, na verdade ele morreu de ALCOOLISMO, doença reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), desde 1967, e que afeta seguramente dez por cento da população do mundo, sem poupar sexo, idade, condição sócio-econômica e/ou etnia.

Vejam informações completas sobre esta doença em: //alcoolismo.com.br .

Aqui mesmo na nossa cidade, quantos dos nossos amigos já morreram de alcoolismo? E quantos nós ainda vamos ver morrer?

E aqui eu falo com completo conhecimento de causa, pois também sou ALCOOLATRA, apesar de ter mais de 25 anos que não bebo, depois de ter feito tratamento numa Clinica Especializada em São Paulo, clinica esta que foi descoberta por Martial Batista Câmara, recentemente falecido, que também pagou não só a minha viagem como o tratamento, e a quem eu devo a minha nova vida.

O que a sociedade precisa é se conscientizar que o Alcoólatra é um doente, e que se for tratado como tal, pode ser recuperado como eu fui. E olha que eu, em um momento da minha vida, cheguei ao “fundo do poço”, quando perdi família, amigos, emprego e até a dignidade.

Mas assim como eu voltei a ser produtivo e respeitado, nós podemos, se tivermos a coragem de fazer um trabalho sério, recuperarmos muitos dos nossos amigos que hoje sofrem da DOENÇA DO ALCOOLISMO.

Que este momento da morte de SÓCRATES nos leve a um momento de reflexão e pensemos na possibilitar de virmos a criar aqui na nossa Região uma Clínica Especializada para Tratamento de Alcoolismo, para que os alcoólatras não sejam, como normalmente são, tratados como doentes mentais que precisam de internação psiquiátrica e tratamentos convencionais.

Acredito que se nos unirmos podemos salvar muitas vidas e devolvermos a dignidade a muitas mães de família e muitos país de família, que hoje são vítimas, assim como toda a sua família, de uma doença incurável e que se não tratada leva inexoravelmente à morte, e morte vergonhosa.

Carlos da Silva Mascarenhas

Alcoólatra que está há 25 anos sem beber

Condromalácia Patelar–Parte 2

Já poderia começar com “Grau II” em vez de Parte 2. Mas é pra não confundir quem vier cair aqui pelas buscas do Google, já que o primeiro post sobre o assunto é, disparado, o mais visitado do blog. Off Record: Chega a doer o coração – e não somente os joelhos – quando constato que tanta coisa boa que escrevo fica escondida, enquanto minhas dores são descaradamente apreciadas por tanta gente!

Pois então, dois anos e meio depois, torno a falar sobre a Condromalácia Patelar que, segundo a Ressonância Magnética feita, já evoluiu pro Grau II.

Nesse tempo, ganhei peso. [Ohhhh! – TODOS SOFRE!] E o peso a mais provocou sobrecarga no extensor, me deixando com dores ainda maiores do que as da época em que a doença foi detectada.

Contextualizando: Após o diagnóstico do Dr. Ortopedista, entrei no pilates, tomei 4 meses de Artolive, fiz zentas sessões de fisioterapia e as dores melhoraram sensivelmente, mas sempre apareciam pra me dizer “oi, estou aqui”. Nunca fiquei completamente livre delas.

Infelizmente aconteceram situações na minha vida que me deixaram estressada e ansiosa, e por conta disso descontei na comida. Junto com uma quantidade excessiva de coca-cola, um marido carinhoso que faz todas as minhas vontades gastronômicas e mestrado+trabalho que me afastaram do pilates… reumo da ópera: 15 Kg de sobrepeso. E as dores voltando ainda mais fortes do que antes.

Há uns dois meses fui a outro Ortopedista, que me indicou expressamente a redução de peso, e como tratamento coadjuvante, a acupuntura. A Dra. Acupunturista, muito criteriosa, pediu alguns exames e uma Ressonância Magnética dos dois joelhos, que revelou que a condromalácia evoluiu para o Grau II, o que significava que eu precisaria retomar todas as providências da última vez. Assim fiz: Voltei pro pilates, pra fisio e pro Artrolive – desta vez por SEIS meses, duas cápsulas por dia.. A acupuntura tem me ajudado a comer menos e controlar a ansiedade; ainda não estou vendo muito resultado no peso, não… mas continuo firme e forte, adorando as agulhadas pelo corpo e as sementinhas de mostarda nas orelhas.

O objetivo deste post é, além de dar notícias da minha saúde (ooohhhh, que pessoa tão importante eu sou!), divulgar a maneira de comprar o Artrolive com desconto, dado pelo laboratório Aché. O Dr. Ortopedista me passou a informação, dizendo que eu procurasse o 0800 do Aché pra ligar e me cadastrar e ter de 40 a 50% de desconto no medicamento, e que ele não recomendava tomar manipulado, que não tinha garantia das quantidades e bla bla bla…

Fui na farmácia e o atendente me ajudou a encontrar o número. Liguei (0800-701 6900) e o atendimento foi super rápido, mas começava assim: “Você pode fazer o seu cadastro pelo nosso site: www.cuidadospelavida.com.br”. Estranhei um nome tão diferente do normal, mas, como já estava no telefone (aceitam ligações de celular!), continuei ali mesmo. A ligação foi concluída e eu já saí com o número de um cartão provisório, que me possibilitou comprar imediatamente com desconto de 40%. Como vou precisar por 6 meses, a próxima compra terá 45% e da terceira em diante, 50%.

Mas o caso é que, quando eu ia dar essas informações aqui, fui procurar para linkar as informações e o Pai Google não dava resultado nenhum desse programa proposto pelo Aché, mesmo colocando “Aché Artrolive desconto laboratório”. Então Marido fuçou mais um pouco, e encontrou aqui algo que pode ser a explicação.

“Uma forma pouco conhecida de conseguir comprar remédios mais baratos é através de cartões de desconto de laboratórios farmacêuticos. Vários laboratórios que produzem medicamentos oferecem essa opção. Para ter acesso ao cartão de desconto, é preciso que o médico faça o encaminhamento, entregando o cartão provisório. Depois, o paciente deve entrar em contato com o laboratório, a fim de se cadastrar e receber o cartão definitivo. Além disso, a compra em farmácias credenciadas só pode ser feita com a receita médica. Esses cuidados são tomado, segundo os laboratórios, para evitar a automedicação.

Portanto, entre em contato com seu médico, pergunte se os remédios que você usa fazem parte desses programas de desconto e peça que ele lhe oriente para receber seu cartão. A economia, em média, é de 50%, mas pode chegar a 75% no valor de cada medicamento!”

Então é isso: a informação de que há o programa de descontos fica na mão do médico. Se ele não indicar… o paciente não vai saber nunca. Porque vejam o site do Aché: bem escondidinho, lá embaixo, no canto esquerdo, o selinho do “Cuidados pela Vida”, sem qualquer informação sobre o que se trata.

Captura de tela inteira 24042011 161943.bmp

Mas agora não é mais segredo. É só fazer o cadastro e comprar o bendito Artrolive com desconto! Ah, mas pra isso precisa ter a receita, pois para fazer o cadastro é necessário informar o CRM do médico e o tempo de prescrição do medicamento.

Boa sorte pra vocês que sofrem comigo!

Ainda o Bivolt

Eu falei, no post anterior, que o motoboy que veio trazer A garrafinha não quis levar a que estava pela metade. E isso era essencial para que a empresa buscasse saber a causa do mau “funcionamento” da embalagem. Mas… eles não estavam nem um pouquinho interessados na sua própria qualidade. Entendi que quiseram somente “calar a boca” da consumidora chata que andou falando mal deles no twitter.

Como eu falei, eles escorregaram MESMO na casca de banana.

Olha a prova aí:

Mais uma garrafinha pela metade… e o que aconteceu, eu posso dizer com segurança, não foi “falha no processo de envasamento”, mas vazamento pela tampa. Problema sério para um produto que nem todo consumidor pode armazenar em pé na geladeira. Mas como eles não levaram a garrafinha “problemática”… jamais saberão o que causou.  Quero dizer, saberão, se estiverem monitorando a marca na web e lerem este post. Falando nisso, a Consultic faz isso muito bem,  tanto Monitoramento de marca na web quanto Monitoramento e Tratamento de Reclamações de Clientes – SAC querendo contratar, tamos aí!

Agora eu vou lá no twitter, avisar do post pro @bivoltpower. Aguardem os resultados.

Reclamando no twitter

Que estou me sentindo exausta, cansada, etc, etc, etc, todo mundo já sabe. O que nem todo mundo sabe é que eu estou sobrevivendo à base de energéticos. Comecei com Red Bull, mas o mês passado, enquanto fazia compras no Makro, uma jovem simpática me ofereceu Bivolt para degustação. Gostei, e comprei um pacote com 12 garrafinhas de 250ml, que tomei diariamente.

Se faziam efeito? Bom, até hoje eu achava que sim*, embora achasse estranho tomar o treco todos os dias e ainda dormir tanto durante o dia quanto à noite. Mas, enfim…

Depois que as primeiras acabaram, comprei mais 12 garrafinhas de Bivolt no Supermercado Itão, em Ilhéus – BA, no domingo, dia 5 de dezembro e coloquei todas na geladeira.

Fui tomando, à medida em que precisei e no dia 08/12 peguei uma das garrafinhas e senti que estava mais leve que o normal. Como o rótulo cobre completamente a visão do líquido, antes de romper o lacre (não rompi até agora) cortei o plástico do rótulo com uma tesoura e vi que estava abaixo da metade. Cortei outro rótulo, e vi que felizmente era uma garrafinha só.

bivolt 003 c

Avaliei que, estando lacrada, não cabia reclamar ao vendedor, e sim ao fabricante. Fotografei e postei no twitter, direcionando ao @bivoltpower,  no próprio dia 8, e por diversas vezes cobrei uma posição da empresa:

Captura de tela inteira 15122010 194254.bmp Captura de tela inteira 15122010 194527.bmpCaptura de tela inteira 15122010 194618.bmp Captura de tela inteira 15122010 194758.bmp

Mandei e-mail, como eles pediram, contando toda a saga da garrafinha pela metade, incluindo as fotos. Responderam, pedindo desculpas pela demora, e assumindo que estavam “iniciando o processo de comunicação pelas redes sociais e assim, não foi tão rápido o retorno”  e dizendo que iam repor. E eu tuitei sobre:

 

Captura de tela inteira 15122010 194827.bmp

 

 

 

 

 

 

Daí que hoje pela manhã a campainha tocou. Era um motoboy trazendo UMA garrafinha de 250ml de Bivolt. Eu levei a outra, imaginando que era pra ser uma troca, mas o motoboy disse que não ia receber, que “não disseram nada sobre o assunto”.

É, a @bivoltpower até tentou, mas escorregou em cascas de banana pelo caminho. Demorou 5 dias pra dar qualquer retorno via twitter, que trabalha em tempo real,  e quando se dispõe a “repor”, o faz com uma única embalagem, de uma maneira tão simplória, que até parece que eu estava reclamando por R$ 2,74 que paguei pela dita cuja. Eles precisavam era manter o consumidor satisfeito, e aproveitar a situação para reverter a má impressão. Nem vou comentar os erros básicos de português nos e-mails, mas a falta de postura no geral: principalmente mandar “repor a embalagem” por um motoboy que nem é funcionário da empresa, e nem levar a embalagem problemática para fazer um tipo de análise buscando a causa do problema, para que não aconteça outras vezes. Além disso,  nem pra mandar um pacote completo ou uma garrafa de 2 litros, né? (hehehe)

 

* Hoje fui no Dr. Gineco, reclamar dessa exaustão, do cansaço excessivo e tal… e ele me deu bronca por ter suspendido por conta própria o gelzinho de estradiol, e disse que é por isso que estou desse jeito. Falei pra ele que estava sobrevivendo à base de energéticos, e ele: “Sem os hormônios, você pode tomar qualquer coisa, que não vai melhorar.” Então… gelzinho na coxa, a partir de hoje, ad infinitum!